Governo do Mato Grosso do Sul não tem previsão para reconstruir ponte da MS-487


Moradores do Mato Grosso do Sul (MS) e Paraná, principalmente transportadores de carga, iniciam 2016 com uma péssima notícia. Conforme a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos de MS (Agesul), ligada a Secretária de Infraestrutura de MS, informou que não tem data ou verba para iniciar a reconstrução da ponte na MS-487 sobre o Rio Amambai. Estrutura desmoronou no início de dezembro e interrompeu uma das principais rotas dentre os Estados.

A MS-487, que liga Mato Grosso do Sul ao Paraná pela região de Naviraí e Porto Camargo, está interditada desde o dia 2 de dezembro, após fortes chuvas. O motivo foi o desabamento da ponte sobre o rio Amambai. Com a situação motoristas agora precisam se deslocar 83 quilômetros a mais pela BR-163, seguindo por Guaíra ou enfrentar estradas secundárias com muita lama e atoleiros. 

Além do problema de dificultar o acesso entre os estados e principalmente o escoamento da safra que inicia em no máximo 30 dias a queda da ponte levou prejuízo para comerciantes de ambos os Estados. “Só no almoço atendíamos umas 40 pessoas. Mas depois do desabamento da ponte nem mais comida estamos fazendo, pois não vem ninguém comer aí temos que jogar fora. Ficou um deserto aqui e a proprietária vai fechar”, disse a funcionária Silvana Barzam.
Claúdivam Rodrigues, mais conhecido como Tio Chico, abriu seu restaurante a beira da rodovia na entrada do Porto Camargo logo após a inauguração do complexo de pontes que liga os dois estados. Durante os 14 anos servindo refeições, o empresário noticiou que nunca viu a rodovia deserta como está. “Acabou a rodovia, não tem mais movimento, a opção da estrada de chão que vem de Naviraí é de 80 quilômetros e poucas pessoas se aventuram em passar pela lama e os atoleiros”, informou.

Ainda conforme Rodrigues, neste período do ano o fluxo de consumidores aumentaria com experiências de anos passados, porém na véspera do Natal ele serviu apenas dois almoços. “era para estar servindo 150 almoço por dia, agora não tá saindo nada. Precisamos que os políticos façam algo, pois eu sou obrigado a esperar, não tem o que fazer já mandei duas funcionárias embora”, contou. 

A angústia do empresário paranaense e os demais que vivem do comércio da rodovia deve permanecer por um bom tempo. Conforme a Agesul, técnicos avaliaram a situação da ponte e devido a situação da estrutura terão que destruir o que sobrou para começar uma nova estrutura do zero. “Estamos levantando as opções técnicas para resolver a situação da MS-487, pois aquela é uma região de alagados e de difícil acesso. Mas a certeza é que teremos que construir outra ponte”, ressaltou o diretor de manutenção da Agesul Edivaldo Merisio. 

Ainda segundo Merisio, o governo do Mato Grosso do Sul estuda implantar uma balsa emergencial para dar fluxo ao local e que também já foi solicitado ao Governo Federal o montante de R$ 115 milhões para recuperar a ponte sobre o rio Amambai e mais 40 pontes em estradas rurais do estado. Desta forma, o servidor ressaltou que não tem data para construção da ponte da MS-487 e promover a ligação novamente entre MS e PR.

Flagrante

A reportagem do jornal Umuarama Ilustrado flagrou funcionários do posto fiscal Foz do Amambai colocando a vida em risco para para conseguirem chegar ao trabalho. Os servidores estão utilizando escadas para passar por cima da ponte destruída e conseguir chegar ao posto fiscal. A situação é degradante e assustadora, uma vez que o resto da estrutura da antiga ponte pode ser arrastada pela força da água a qualquer momento.

Rotas alternativas

Motoristas que pretendem seguir viagem entre os estados do Paraná e Mato Grosso do Sul, terão que seguir pela BR-163 passando por Guaíra ou fazer a travessia de balsa no Rio Paraná. Outra opção de trajeto para os que queiram chegar até Naviraí por Porto Camargo, é seguir por uma estrada de chão que inicia a direito do posto fiscal Foz do Amambai na MS-487, quilômetros antes de chegar a ponte que desabou. 

Fonte: Ilustrado

Site Portal Alto Paraíso PR