Ladrões levaram todo o dinheiro que havia no Banco do Brasil de Goioerê


No assalto registrado na agência do Banco do Brasil de Goioerê na manhã de sexta-feira, 2, os ladrões roubaram todo o dinheiro que havia na agência, inclusive nos cofres. Apresentando muita tranquilidade, os ladrões permaneceram por quase duas horas na agência e dominaram todos os funcionários, conforme eles iam chegando ao banco.

A ação dos ladrões começou ainda na noite de quinta-feira, quando eles entraram na casa de um dos gerentes e o ameaçou, dizendo que a família dele, que reside na cidade de Maringá, também estava feita refém.

Dois ladroes passaram a noite na casa do tesoureiro da agência e um deles o acompanhou até a agência, por volta das 8 horas da manhã de sexta-feira. O funcionário entrou na agência e avisou aos vigilantes sobre o assalto e sua família refém e os vigilantes foram dominados, e assim aconteceu com todos os funcionários, à medida que chegavam à agência. Cerca de 15 funcionários foram rendidos.
Acredita-se que pelo menos quatro pessoas participaram da ação, embora dois deles tenham tomado à frente do assalto. Eles estavam muito tranquilos e diziam que queriam apenas o dinheiro do banco.

Segundo o delegado Roque Silas dos Santos, os ladrões se apoderaram de todo o dinheiro que havia na agência. O valor não foi divulgado, mas acredita-se que esteja na casa das centenas de milhares de reais.

Para fugir os ladrões utilizaram um veículo Prisma, de cor branca, com placa de Santa Catarina. Acredita-se que eles tenham utilizado mais um veículo.
Os ladrões chegaram à agência às 8 horas e saíram às 9h40min, sendo que a polícia somente foi informada do roubo uma hora depois e, desde então as investigações estão acontecendo.

O delegado Silas Roque dos Santos salienta que o modus-operandi dos ladrões é o mesmo de todo o Brasil, com o sequestro de um gerente que tenha a chave do estabelecimento e acesso ao compartimento de dinheiro.
“O modo de agir é o padrão em roubos a banco, temos algumas pistas, que estamos seguindo, mas é um tipo de investigação muito difícil de ser realizada” – salientou o delegado.

Assim que os ladrões foram embora se constatou que não era verídica a informação de que a família do gerente do banco estava refém dos ladrões em Maringá, e que isso foi usado somente como forma de ameaça e terrorismo por parte dos assaltantes.

Fonte: Goionews

Site Portal Alto Paraíso PR